Empoderamento Da Mulher Negra

Lola Ogunyemi - MODELO DA CAMPANHA DA DOVE FALA SOBRE A REPERCUSSÃO

outubro 11, 2017



Ontem, terça feira (10/10), a modelo Lola Ogunyemi deu entrevista ao Jornal britânico "The Guardian", se manifestando sobre a repercussão mundial da campanha desastrosa da Dove. Entre outros trechos emocionantes, a modelo disse "Há definitivamente algo a ser dito aqui sobre como os anunciantes precisam olhar além da superfície e considerar o impacto que as imagens podem causar, especificamente quando se trata de grupos marginalizados de mulheres.

Algumas coisas importantes precisam ser levadas em consideração, na hora de analisar mais de perto a campanha da Dove e, com certeza, uma que não pode passar desapercebido é a importância da análise de discurso subjetivo, na leitura de uma campanha publicitária. É possível perceber, e também como a própria modelo disse, fora do contexto e do filme completo, que teria cerca de trinta segundos, a campanha é totalmente racista, mas, olhando o todo, a coisa não seria bem assim. 
O que me chama séria atenção é, faria total diferença caso a empresa tivesse diversidade em sua equipe, pois, qualquer pessoa negra conseguiria ter o olhar de "olha, talvez isso não pegue bem!", o que obviamente não aconteceu e essa campanha racista foi ao ar. 


Lola foi bem incisiva em sua entrevista, no sentido de deixar claro que ela não estaria ali se soubesse do resultado e não esteve ali como vítima, ela é uma modelo, este é o trabalho dela, agora o trabalho mal feito da edição atingiu, não só a ela, mas uma parcela imensa da população. 



"Eu sou uma mulher nigeriana, nascida em Londres e criada em Atlanta. Cresci muito consciente da opinião da sociedade de que as pessoas de pele escura, especialmente as mulheres, ficariam melhores se a nossa pele tivesse um tom mais leve.

Eu sei que a indústria da beleza alimentou essa opinião com sua longa história de apresentar modelos brancas ou mestiças como padrão de beleza. Historicamente, e em muitos países, ainda hoje é assim. Modelos mais escuras são usadas ​​para demonstrar as qualidades de clareamento da pele de um produto.
Essa narrativa repressiva eu vi afetar mulheres de muitas comunidades diferentes das quais fiz parte. E é por isso que, quando a Dove me ofereceu a chance de ser o rosto de uma nova campanha de sabonete líquido, eu topei.
Ter a oportunidade de representar minhas irmãs negras para uma marca de beleza global me pareceu a maneira perfeita de lembrar ao mundo que estamos aqui, somos lindas e, mais importante, somos valorizadas.
Então, uma manhã, acordei com uma mensagem de um amigo perguntando se a mulher em um post que ele tinha visto era realmente eu. Entrei na internet e descobri que eu me tornara o cartaz involuntário de uma propaganda racista. Não estou mentindo.
Se você digitar “anúncio racista” no Google agora mesmo, uma foto do meu rosto é o primeiro resultado. Eu estava entusiasmada por fazer parte do comercial e promover a força e a beleza da minha raça, então isso era perturbador.
Apelos estavam sendo feitos para boicotar a Dove e amigos de todo o mundo estavam me procurando para ver se eu estava ok. Fiquei impressionada com o quão controverso o anúncio se tornou.
Se eu tivesse a menor suspeita de que eu seria retratada como inferior, ou como “antes” em uma propagada de antes e depois, eu teria sido a primeira a dizer um “não” enfático. Eu teria ido embora. Isso é algo que vai contra tudo o que acredito.
No entanto, a experiência que tive com a equipe Dove foi positiva. Eu tive momentos maravilhosos no set. Todas as mulheres na filmagem entenderam o conceito e o objetivo – usar nossas diferenças para destacar o fato de que toda pele merece gentileza.
Lembro-me de todas nós entusiasmadas com a idéia de usar camisetas e nos transformarmos umas nas outras. Não estávamos certas de como a edição final iria ficar, nem qual de nós seria realmente apresentada, mas todas pareciam estar alegres, inclusive eu.
Então, o primeiro anúncio no Facebook foi lançado: um videoclipe de 13 segundos comigo, uma mulher branca e uma asiática. Eu amei. Meus amigos e familiares adoraram. As pessoas me parabenizaram por ser a primeira a aparecer, por estar fabulosa. Eu estava orgulhosa.
O comercial de TV completo de 30 segundos foi lançado nos EUA e eu estava novamente na lua. Havia sete de nós na versão completa, raças e idades diferentes, cada uma respondendo a mesma pergunta: “Se sua pele fosse uma etiqueta de lavagem, o que ela diria?”
Repetindo, eu era a primeira modelo no anúncio, descrevendo minha pele como “20% seca, 80% brilhante” e aparecendo novamente no final. Adorei, e todos à minha volta pareciam bem. Eu acho que a edição completa da TV era muito melhor para deixar a mensagem da campanha clara.
Há definitivamente algo a ser dito aqui sobre como os anunciantes precisam olhar além da superfície e considerar o impacto que as imagens podem causar, especificamente quando se trata de grupos marginalizados de mulheres. É importante examinar se o seu conteúdo mostra que a voz do seu consumidor não é apenas ouvida, mas também valorizada.
Posso entender como as fotos que estão circulando na web foram mal interpretadas, considerando o fato de que a Dove enfrentou uma reação no passado pelo mesmo problema.
Há uma falta de confiança aqui, e eu sinto que o público estava certo em sua indignação inicial. Dito isso, também vejo que muito foi deixado de fora. A narrativa não forneceu aos consumidores um contexto no qual basear uma opinião.
Embora eu concorde com a resposta da Dove de se desculpar inequivocamente por qualquer ofensa causada, eles também poderiam ter defendido sua visão criativa e sua escolha de me incluir, uma mulher negra, como o rosto de sua campanha.
Eu não sou apenas uma vítima silenciosa de uma campanha de beleza equivocada. Sou forte, sou linda e não vou ser apagada". (The Guardian)

Você também pode gostar disso

0 comentários

Deixe aqui seu comentário, dica ou feedback!

FACEBOOK

RECEBA AS NOVIDADES POR E-MAIL