Empoderamento Da Mulher Negra

QUE EM 2018 NÓS POSSAMOS FALAR DE SENTIMENTOS SEM CULPA

janeiro 05, 2018

Projetado pelo Freepik
Um desejo que trago comigo há muitos réveillons é o de que, no ano que vem nós possamos ser livres para amar, sermos amadas, falar de sentimentos bons, de felicidades, de querer bem, de esperanças, sem sermos consideradas "melosas ou românticas demais" por este motivo. A era das redes sociais onde todos os sentimentos viram memes e são repetidos com a mesma naturalidade do nosso "bom dia", não que isso seja totalmente ruim, é a mesma era onde há uma proibição tácita de se falar em sentimentos, de contar seus sentimentos ao outro, sob pena de sermos taxadas como "carentes", "chatas", "grudentas" e outros adjetivos que são dados na maioria das vezes as mulheres ou àqueles que performam a feminilidade. 

Não pode chorar, não pode demonstrar apego, não pode ligar ainda mais se for para dizer que está com saudades, não pode dizer que ama nem que adora, pois isso parece criar no outro uma obrigação quase que constrangedora de ser recíproco e nisto vamos ficando cada dia mais avessos a troca de afeto, de amor. O que para nós, pessoas negras, é duplamente problemático, uma vez que para nós o afeto é negado desde que fomos sequestrados para a diáspora, numa outra época onde demonstrar afeto e carinho era quase letal a vida dos negros e negras escravizadas. As memórias de pessoas escravizadas quanto a família e afeto são muitas vezes registradas como sutis ou lidas em linhas subliminares do dia-a-dia, amor era alimentar seus filhos, amor era proteger sua prole das surras e outros castigos físicos, ou seja, estamos desde sempre "substituindo" nossas demonstrações de amor e afeto. 

Os nossos meninos são outros prejudicados com essa necessidade do não demonstrar amor ou carinho, como se isto fosse algum sinal de fraqueza, muitas vezes associado somente ao feminino, aos meninos está proibido qualquer demonstração de apreço, pois qualquer coisa que se aproxime do que é relativo a mulher é rapidamente repelida do comportamento da maioria dos meninos. Estamos sendo ensinados então a não demonstrar aquilo que deixou de ser considerado bonito para ser considerado fraqueza, o amor. 

Um dos meus desejos para 2018 é que possamos demonstrar sem culpa, sem medo de afastar ou de sermos "mal interpretados", o nosso amor pelo outro. E não falo aqui apenas do amor homem-mulher, mas, de lembrarmos todos os dias de dizer o quanto amamos nossos pais, filhos, amigos, irmãos, primos, conhecidos, enfim, todas as pessoas que nós simplesmente amamos, sem ter de justificar, esconder, explicar ou sufocar nosso sentimento. Que neste ano que ainda está fresquinho possamos falar de amor e preencher as outras pessoas com eles, que em 2018 sejamos capazes de reconhecer humanidade no povo preto, sejamos capazes de amar aos nossos enquanto humanos dignos de amor, carinho, afeto, respeito, criando novos estereótipos positivos desta vez, sentimentos bons que nos levem a querer compartilhar e espalhar, não esconder. 

Muito amor a todos nós em 2018. 

Você também pode gostar disso

0 comentários

Deixe aqui seu comentário, dica ou feedback!

FACEBOOK

RECEBA AS NOVIDADES POR E-MAIL